Segunda-feira
10 de Dezembro de 2018 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
31ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Artigos

Isenção de IRPF para portadores de doenças graves

Poucas pessoas sabem sobre a isenção do Imposto de Renda Pessoa Física para portadores de doenças graves; tanto o é que poucas pessoas se utilizam desse recurso.
 
O benefício destina-se a desonerar os rendimentos do contribuinte, a fim de que o mesmo possa utilizar de seus recursos financeiros para o tratamento da doença que o acomete. É, portanto, um direito de suma importância, vez que ameniza os custos com despesas extras.
 
Nesse âmbito, o legislador com base em princípios constitucionais como o da dignidade da pessoa humana, bem como o direito à vida, regulamentou essa situação com a edição da Lei n. 7.713, de 22 de dezembro de 1988, a qual dispõe em seu no inciso XIV do art.6º, em quais situações é possível o requerimento de isenção.
 
Segundo a indigitadalei, alterada pela Lei n. 11.052/2004, pessoas que sofrem das seguintes doenças: AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida); Alienação Mental; Cardiopatia Grave; Cegueira; Contaminação por Radiação; Doença de Paget em estados avançados (Osteíte Deformante); Doença de Parkinson; Esclerose Múltipla; Espondiloartrose Anquilosante; Fibrose Cística (Mucoviscidose); Hanseníase; Nefropatia Grave; Hepatopatia Grave; Neoplasia Maligna; Paralisia Irreversível e Incapacitante; Tuberculose Ativa; podem requerer a isenção do IRPF.
 
Entretanto, para poder se beneficiar da isenção com base nas legislações acima, além de ser portador de uma das doenças graves elencadas, o contribuinte deve ser aposentado ou pensionista. Também são isentos os contribuintes que recebem proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional.
 
Para ser beneficiado da isenção do IRPF basta o contribuinte procurar o serviço médico oficial dentro do seu Município - no nosso caso o INSS - para que seja emitido laudo pericial comprovando a moléstia,é importante que nesse laudo se faça constar a data que o contribuinte foi acometido pela doença, pois se a data do acometimento da doença for retroativa a exercícios anteriores ao da solicitação, o contribuinte poderá requerer a restituição do imposto pago nos anos anteriores.
 
Assim, é importante ficar atento ao seu direito e aos prazos prescricionais, pois o direito a restituição do imposto de renda relativo aos rendimentos posteriormente considerados isentos decai em cinco (5) anos conforme legislação tributária em vigência.
 
Cumpre-nos informar, ainda, que se o contribuinte acumular os requisitos exigidos pela legislação tributária para concessão da isenção e tiver seu pedido negado poderá recorrer à Justiça, haja vista tratar-se de direito líquido e certo.
 
Dessa maneira, caso você, preencha os requisitos para isenção não deixe de requerê-la. Na dúvida procure um profissional de sua confiança.
 
 
Artigo escrito pela advogada MIRIAM CRISTINA DOS REIS, OAB/MG nº 163.171, com atuação nas áreas Tributária  e Direito do Consumidor.

Contate-nos

MELO RODRIGUES ADVOCACIA

Rua Ângelo Crema,  159
-  Bela Vista I
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 33511084
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia