Segunda-feira
15 de Julho de 2019 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
30ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

11/07/2019 - 13h57Melhoria do sistema prisional passa pelos vários órgãos envolvidosDiretor do Depen admite poder de facções criminosas e diz, em seminário, que governo criará 100 mil novas vagas

O evento, iniciado ontem, é voltado para magistrados, promotores de justiça, defensores públicos e diretores de unidades prisionais e continua amanhã, 12/07 “Para melhorar as condições de cárcere no Brasil, a abertura de vagas no sistema prisional é fundamental, bem como é importante a criação das condições para que o Estado tenha domínio sobre as cadeias, pois há unidades que hoje são controladas por facções criminosas.” Essas foram algumas das reflexões do diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Fabiano Bordignon, durante seminário sobre as políticas de execução penal para a prevenção e a minimização de maus tratos e torturas do sistema penitenciário, na manhã desta quinta-feira, 11 de julho. A conferência integrou a programação do seminário Tratamento Penitenciário e suas Consequências, aberto ontem, 10 de julho, no Auditório do Anexo I do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em torno da recuperação e da reintegração de sentenciados a partir de discussões sobre o sistema penitenciário. Inciativa da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) do Tribunal mineiro, o evento é voltado para magistrados, promotores de justiça, defensores públicos e diretores de unidades prisionais. A programação se estende até amanhã, 12 de julho. O diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional, Fabiano Bordignon, durante a conferência sobre políticas de execução penal Desafios históricos Em sua fala, Fabiano Bordignon abordou alguns “dos grandes e históricos desafios no sistema prisional brasileiro” e explicou que a principal atuação do Depen, nesta gestão, é no sentido de abertura de vagas e da retomada de controle e da disciplina das unidades prisionais no Brasil. “Isso é algo que envolve as unidades da federação. O Depen é um dos órgãos da execução penal, mas há vários órgãos envolvidos nesse campo, como o Poder Judiciário, conselhos da comunidade, defensorias públicas, Ministério Público, entre outros”, exemplificou. Em relação a um dos pontos considerados fundamentais para a melhoria do sistema, na avaliação do diretor-geral – o controle das unidades pelo poder público – prescinde, observa ele, de uma melhor disciplina no cárcere. “Algumas unidades não são controladas pelo poder público, e sim por facções criminosas. Mas essa melhoria é um trabalho que depende de muitos atores, e deve envolver toda a sociedade e também a imprensa”, ressaltou. O conferencista destacou ainda a importância de que haja convergência no trabalho dos envolvidos com a execução penal, a partir da construção de uma rede de atuação, e apresentou ao público o Depen. Bordignon explicou que o departamento nacional tem, entre suas atribuições, colaborar com as unidades federativas mediante convênios na implantação de estabelecimentos e serviços penais. Entre outros pontos, abordou também aspectos da crise do sistema prisional brasileiro, como a falta de investimentos e a superlotação carcerária – “problema histórico no País” – e a importância de dados sobre os presos e de oportunidades de trabalho para o detento. O conferencista apresentou ainda dados sobre a população carcerária brasileira e sobre as penitenciárias federais. Ele indicou que o atual governo federal pretende criar 100 mil vagas para o sistema prisional, nos próximos quatro anos, com investimentos de R$ 3 bilhões, por ano, entre gastos com vagas e custeio. O diretor-geral do Depen foi apresentado ao público, na abertura da conferência, pelo secretário adjunto da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, Gustavo Henrique Tostes. Também nesta manhã, como parte da programação do seminário, o juiz do Maranhão Douglas Melo Martins apresentou o painel "O caso Pedrinhas" Caso Pedrinhas, práticas europeias e Apacs Os trabalhos de hoje se iniciaram com o painel “O caso de Pedrinhas: mudança no tratamento e novos resultados”, conduzido pelo juiz do Maranhão Douglas Melo Martins e pelo secretário estadual de Administração Penitenciária do Maranhão, Murilo Andrade de Oliveira. O desembargador Armando dos Anjos, um dos coordenadores do programa Novos Rumos do Tribunal mineiro, apresentou os palestrantes ao público. Na tarde de hoje, o seminário prossegue com conferência sobre o contexto, a normativa e as boas práticas europeias em matéria de tratamento, reeducação e ressocialização na execução da pena de prisão, a ser ministrada por Simone Luerti, juiz de Execução de Penas do Tribunal de Milão.  “Alternativas penais ao sistema penitenciário convencional. A experiência do método APAC” é o painel que acontece na sequência, reunindo o juiz auxiliar da Presidência do TJMG Luiz Carlos Rezende e Santos; o diretor-executivo da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (Fbac), Valdeci Antônio Ferreira, e o gerente de Metodologia da entidade, Roberto Donizetti de Carvalho. Para amanhã, estão previstas conferências em torno de temas como alternativas penais; superlotação carcerária; prevenção e minimização de maltratos e torturas no sistema penitenciário (visão do Legislativo Nacional, e do Judiciário Nacional); e criminalidade organizada nas prisões brasileiras. Confira a íntegra da programação e  matéria  sobre a abertura do evento, que contou com a palestra magna proferida pelo desembargador Vladimir Passos de Freitas, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A programação desta manhã contou ainda com painel ministrado pelo secretário estadual de Administração Penitenciária do Maranhão, Murilo Andrade de Oliveira
11/07/2019 (00:00)

Contate-nos

MELO RODRIGUES ADVOCACIA

Rua Ângelo Crema,  159
-  Bela Vista I
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 3351-1084+55 (34) 9.8809-6681
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia