Sexta-feira
27 de Maio de 2022 - 

Notícias

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
22ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,80 4,80
EURO 5,14 5,15

Newsletter

18/01/2022 - 15h21GMF e PAI-PJ se reúnem para alinhar fluxos de trabalhoIntegrantes de força-tarefa buscam aperfeiçoar medidas de segurança de internação

A reunião foi realizada nesta terça-feira (18/1), na sede do Programa Novos Rumos, na capital mineira (Crédito: Cecília Pederzoli) O Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e das Medidas Socioeducativas (GMF) e o Programa de Atenção Integral ao Paciente Judiciário (PAI-PJ), braços do Programa Novos Rumos do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), reuniram-se, nesta terça-feira (18/1), com integrantes da força-tarefa instituída pela Portaria 1.319/PR/2021, a fim de alinhar fluxos de trabalho. A formação do grupo visa à busca de informações atualizadas sobre inpíduos que se encontram cumprindo medida de segurança em liberdade e aguardam vaga na “lista de espera” em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico (HCTP). Os dados apurados serão encaminhados aos juízes respectivos, a fim de subsidiar uma reanálise de cada caso. A reunião contou com a participação dos coordenadores do GMF e do PAI-PJ; com representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ); e com servidores e estagiários do Programa Novos Rumos. A força-tarefa é integrada por servidores e por estagiários de pós-graduação nas áreas de Psicologia, Direito e Assistência Social do GMF e do PAI-PJ. A desembargadora Márcia Milanez e alguns estagiários de pós-graduação participaram da reunião por meio de videoconferência (Crédito: Cecília Pederzoli) Análise inpidualizada O supervisor do GMF, desembargador Júlio Cezar Guttierrez, explica que o TJMG, por meio do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e das Medidas Socioeducativas (GMF) e do Programa de Atenção Integral ao Paciente Judiciário (PAI-PJ), observou que existe uma demanda de vagas para a internação de pessoas às quais foram aplicadas medidas de segurança de internação. Uma avaliação dessa lista de espera, de acordo com o desembargador, indicou que, de um total de 437 pacientes que aguardam vagas, 324 encontram-se em meio aberto, já por longo período, sendo acompanhados adequadamente em dispositivos da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) e/ou estando acolhidos nas suas famílias e na própria sociedade, em situação que afasta a necessidade da internação, observada a excepcionalidade da medida, nos termos da Lei 10.216/01. De acordo com o desembargador Júlio Cezar Gutierrez, por meio dessa força-tarefa cada caso será avaliado de maneira inpidualizada, para que, sob o aspecto da saúde, seja verificada a real necessidade da medida de internação. “O objetivo é que só fique internado quem de fato necessitar de internação”, afirma o supervisor do GMF. O juiz coordenador do PAI-PJ, juiz Luiz Fernando Nigro, salientou que as internações de inpíduos que já estão plenamente integrados na sociedade, inclusive com os cuidados em saúde mental adequados e suficientes, não se justificam, sob o prisma da Lei da Reforma Psiquiátrica. Em tal cenário, na avaliação do magistrado, é “pertinente levar ao conhecimento dos respectivos juízos a situação atual de cada paciente, propiciando elementos para avaliação sobre a necessidade da internação, antes de eventual supressão de sua liberdade”. Atuação integrada “Nessa temática tão sensível, é importante que as instituições do sistema de justiça unam esforços, para que consigamos, de forma integrada e sistematizada, dar uma condição melhor para os pacientes judiciários que já estão integrados na sociedade, com suas famílias e em tratamento, sem necessidade da privação da liberdade. Cada caso precisa ser avaliado, a fim de se buscar a melhor solução para essas pessoas”, observou a defensora pública auxiliar da Defensoria Pública-Geral, Emília Castilho. O consultor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Lucas Miranda, que é coordenador estadual do Programa Fazendo Justiça em Minas Gerais, afirmou que a iniciativa que ele coordena vem acompanhando de perto as ações do Judiciário mineiro relacionadas a medidas de segurança e ao PAI-PJ. “Temos observado como o TJMG tem sido vanguardista nesse processo de efetivação da reforma psiquiátrica. Estamos acompanhando essas iniciativas para dar os subsídios técnicos que o CNJ tem construído, nessas discussões, a nível nacional”, disse. “O Ministério Público considera muito importante esse diálogo e essa união entre as instituições — Judiciário, MP e Defensoria Pública —, para a solução de um problema que é de longo prazo, precisa ser solucionado, envolve violação de direitos e se refere aos pacientes judiciários. Confiamos que esses espaços conjuntos irão agregar e auxiliar no desenvolvimento da solução”, afirmou Vanessa Campolina, que representou o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça da Defesa da Saúde. Presenças Participaram da reunião o desembargador Júlio Cezar Guttierrez, supervisor do GMF; o juiz coordenador do PAI-PJ, Luiz Fernando Nigro; Vanessa Campolina, representando o Ministério Público; a defensora pública auxiliar da Defensoria Pública-Geral, Emília Castilho; e o consultor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Lucas Miranda, que é coordenador estadual do Programa Fazendo Justiça em Minas Gerais. Além da desembargadora Márcia Milanez, coordenadora-geral do PAI-PJ, que participou por videoconferência, também acompanharam as discussões servidores do Programa Novos Rumos e estagiários de pós-graduação das áreas de Assistência Social, Psicologia e Direito, que também integram a força-tarefa. Diretoria Executiva de Comunicação – Dircom Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG (31) 3306-3920 imprensa@tjmg.jus.br instagram.com/TJMGoficial/ facebook.com/TJMGoficial/ twitter.com/tjmgoficial flickr.com/tjmg_oficial  
18/01/2022 (00:00)

Contate-nos

Melo Rodrigues - Advocacia

Rua Ângelo Crema  159  casa
-  Bela Vista l
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 3351-1084+55 (34) 98871-0798
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia