Domingo
17 de Outubro de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
29ºC
Min
21ºC
Chuvas Isoladas

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

23/09/2021 - 16h05Live aborda reconhecimento fotográfico e as buscas residenciais sem mandadoAtividade faz parte do Ciclo de Debates Penais e Processuais Penais

Atividade educacional reuniu, de forma virtual, desembargadores, juízes e servidores da área criminal ( Crédito : Divulgação/TJMG ) A Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef), do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, promoveu, nesta quinta-feira (23/09), uma live com o tema “O reconhecimento fotográfico e as buscas residenciais sem mandado: ponderações baseadas na não culpabilidade”. A atividade, que integrou o 5º encontro do “Ciclo de Debates Penais e Processuais Penais” , reuniu, virtualmente, cerca de 200 pessoas, entre magistrados e servidores, principalmente da área criminal. O expositor convidado para a palestra foi o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Sebastião Alves Reis Júnior, membro da Comissão de Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça; membro Honorário do Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB; e membro efetivo do Conselho da Justiça Federal.  O encontro foi aberto pelo 2º vice-presidente TJMG e superintendente da Ejef, Desembargador Tiago Pinto, e teve como debatedores o desembargador Henrique Abi-Ackel Torres e a juíza Juliana Elian Miguel, titular da 4ª Vara Criminal de Contagem. Participaram também a superintendente adjunta da Ejef, desembargadora Mariângela Meyer e o juiz auxiliar da 2ª vice-presidência do TJMG, Murilo Silvio de Abreu. Jurisprudência O ministro do STJ Sebastião Reis iniciou a  palestra abordando a jurisprudência sobre o reconhecimento fotográfico como prova para a condenação penal, e as buscas residenciais realizadas sem autorização judicial.   ( Crédito : Divulgação/TJMG )   “A busca em residências sem mandado vinha sendo aceita pelo judiciário, principalmente nos processos de tráfico de drogas. Houve a necessidade de rediscutir essa situação, pois percebemos que esses acontecimentos ocorriam, na maioria das vezes, nas periferias das cidades e nas comunidades mais pobres”, destacou o ministro. Segundo Sebastião Reis, diante das distorções, o STJ começou a fixar regras e condições para a utilização de provas, indícios e circunstâncias concretas que justificassem a busca em residências sem mandado. “Passou a ser exigido, por exemplo, um documento assinado pelo proprietário da residência, autorizando a entrada da força policial, a filmagem da ação e a presença de testemunhas durante a abordagem. Houve uma evolução da jurisprudência: só a declaração da autoridade policial não era mais suficiente para ser usada como prova”, disse. Também houve avanço na jurisprudência, de acordo com o ministro, nas ações de reconhecimento de pessoas por meio do registro fotográfico. “Desde 1997, o Judiciário vem analisando que tal reconhecimento não deveria ser levado como elemento único para o prosseguimento do processo, principalmente, devido à fragilidade desse tipo de prova. O reconhecimento facial é feito, muitas vezes, sem o menor critério e, com base nisso, muitas pessoas são presas e condenadas”. De acordo com o magistrado, as instâncias superiores já admitiram que o reconhecimento facial não pode servir como única prova em condenação penal. Ele enfatizou a importância da análise minuciosa dos magistrados de primeira instância. “Precisamos da interpretação cuidadosa dos juízes para que a decisão não seja anulada em instâncias superiores, devido à fragilidade das provas. O reconhecimento fotográfico precisa seguir os critérios estabelecidos pelo artigo 226 do Código de Processo Penal. Os abusos tendem a diminuir com essa mudança de entendimento”, concluiu o ministro. Teoria x Prática   Desembargador Henrique Abi Ackel foi um dos debatedores do encontro ( Crédito : Divulgação/TJMG )   O desembargador Henrique Abi-Ackel ressaltou a relevância da palestra do ministro do STJ, Sebastião Reis. “A jurisprudência sobre o tema foi abordada de forma brilhante. Precisamos modificar uma cultura. É importante termos a compreensão de que a teoria é muito diferente da prática. Por exemplo: um relógio muito bonito, de ouro, que fica em exposição em um museu, mas que na prática não marca as horas, não pode ser utilizado”, disse.  De acordo com o desembargador, o judiciário tem papel importante no sentido de indicar direções para a melhoria da conduta policial. “Não estamos passando a mão na cabeça do bandido, precisamos de decisões ponderadas, baseadas na razoabilidade; que o reconhecimento faça parte de um conjunto probatório”. A juíza Juliana Elian Miguel também afirmou que o reconhecimento fotográfico não pode ser usado, exclusivamente, para a condenação. “Estamos absolvendo pessoas pela fragilidade das provas, pois a fase policial é encerrada de forma prematura, depois que é feito o reconhecimento fotográfico, sem o devido procedimento legal”, concluiu. Encerramento A live, que pode ser vista neste link, contou com a participação de desembargadores, juízes e servidores de várias comarcas do Estado, que fizeram perguntas ao ministro Sebastião Reis, durante a etapa final da atividade educacional. O 6º Encontro do “Ciclo de Debates Penais e Processuais Penais” será realizado no dia 21 de outubro, com transmissão ao vivo, por meio da página oficial da Ejef no Youtube.  
23/09/2021 (00:00)

Contate-nos

Melo Rodrigues - Advocacia

Rua Ângelo Crema  159  casa
-  Bela Vista l
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 3351-1084+55 (34) 98871-0798
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia