Domingo
22 de Outubro de 2017 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
30ºC
Min
20ºC
Nublado com Pancadas

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Rede varejista condenada por embutir garantia estendida sem autorização de consumidora

A Juíza da 3ª Vara Cível de Vila Velha, Marilia Pereira de Abreu, condenou uma rede varejista de móveis e eletrodomésticos a pagar uma indenização a título de danos morais de R$ 3 mil a uma consumidora que teve embutido, em sua compra, o valor referente a uma garantia estendida e a um curso , sem o seu conhecimento e consentimento.Além da indenização por danos morais, a empresa deve ressarcir a consumidora do valor indevidamente cobrado de R$ 280,32. Segundo a requerente, ela adquiriu, junto ao estabelecimento comercial, dois guarda-roupas, um climatizador e um e, ao tomar ciência de que o vendedor embutiu o valor da garantia estendida sem a sua autorização, ajuizou a ação para ser ressarcida.De acordo com a sentença, a magistrada entendeu que a empresa não conseguiu comprovar que a autora estava ciente da compra do curso on line e da garantia estendida. “Já a parte requerente logrou êxito ao comprovar a quantia paga indevidamente, como bem explicitam os documentos acostados junto à exordial. Na qualidade de fornecedora de produtos, a requerida somente se eximiria de responsabilidade se lograsse comprovar não ter havido a falha na prestação do serviço, nos termos do inciso I, §3º, do art. 14 do CDC.”, destacou.Além disso, a parte autora trouxe, ainda, aos autos, comprovantes de sua tentativa extrajudicial de resolver o problema com a loja.Dessa forma, segundo a juíza, “restou fato incontroverso a ocorrência do dano, que certamente enseja indenização a título de dano moral”, destacou a magistrada, fixando a indenização por danos morais em R$ 3 mil.“Deve ser considerado que o autor tentou exaustivamente a solução do problema, sem êxito. Deve ainda ser considerado que a requerida é loja de grande porte e, que, portanto, condenação em valor muito pequeno certamente não terá qualquer efeito pedagógico sobre a mesma, o que deve ser também uma das decorrências da condenação por dano moral, que é estimular o infrator a evitar o comportamento que gerara o dano”, concluiu.Processo nº: 0051750-49.2014.8.08.0035
11/10/2017 (00:00)

Contate-nos

MELO RODRIGUES ADVOCACIA

Rua Ângelo Crema,  159
-  Bela Vista I
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 33511084
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia