Quarta-feira
29 de Junho de 2022 - 

Notícias

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Previsão do tempo

Hoje - Sacramento, MG

Máx
28ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,22 5,22
EURO 5,50 5,50

Newsletter

TNU afeta tema sobre indenização a trabalhador portuário avulso diante de férias não gozadas

Durante a sessão virtual de julgamento realizada entre os dias 29 de abril e 5 de maio, a Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU) decidiu, por unanimidade, conhecer do pedido de uniformização, nos termos do voto da juíza relatora, indicando o tema para ser julgado sob a sistemática dos recursos representativos de controvérsia, com a seguinte questão controvertida: “Saber se é presumido o caráter indenizatório do valor pago ao trabalhador portuário avulso em face de férias não gozadas, para fins de Imposto de Renda” – Tema 304. Segundo o requerente do pedido de uniformização de interpretação de lei, o acordão recorrido, da 2ª Turma Recursal do Espírito Santo, estaria em pergência com entendimento firmado pela TNU e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O autor solicitou o reconhecimento da não incidência do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) sobre o valor que, na condição de trabalhador portuário avulso, recebeu a título de férias não gozadas e convertidas em pecúnia. A sentença da Turma Recursal de origem afirmou a incidência do IRPF sobre o valor, ao afirmar que “não se pode presumir que o valor pago a título de férias ao avulso tenha caráter indenizatório, pois ele é pago com a finalidade de oferecer os importes financeiros que possibilitem afastamento futuro. Para que seja firmada a natureza indenizatória das parcelas, deve o trabalhador avulso comprovar que não gozou suas férias em razão de necessidade de serviço”. Na TNU, a relatora do processo, juíza federal Luciane Merlin Clève Kravetz, declarou que existe semelhança entre os casos julgados e pergência na interpretação da norma jurídica aplicável, de modo que é cabível o pedido de uniformização. “A relevância do tema e a multiplicidade de ações versando sobre a mesma matéria podem ser extraídas da amplitude e abrangência que envolve esta matéria”, evidenciou a magistrada. Processo n. 5024336-22.2020.4.02.5001/ES Fonte CJF

Contate-nos

Melo Rodrigues - Advocacia

Rua Ângelo Crema  159  casa
-  Bela Vista l
 -  Sacramento / MG
-  CEP: 38190-000
+55 (34) 3351-1084+55 (34) 98871-0798
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia